Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sou Mais Eu...

Sou Mais Eu...

02.01.21

Balanço...

soumaiseu

d1ef2ce8cc84522fb72b80acbdfd5f68.jpg

(Imagem retirada da net: Google fotos)

Embora tenha regressado ao blog há muito pouco tempo tenho evitado falar sobre a pandemia que nos assola porque é o assunto do dia e, tudo o que eu possa dizer já foi certamente pensado e escrito por tantas outras pessoas. Os meus medos e os meus receios foram e são os mesmos de toda a gente. De repente somos obrigados a ficar em casa, perdemos a nossa liberdade e seguimos mais ou menos cegamente as orientações do Senhor Primeiro Ministro e da DGS. 2020 foi um ano que nos pôs à prova. Chegou de mansinho mas foi levantando uma poeira fininha que se foi infiltrando por aí. Acho que todos nós de uma maneira ou de outra aprendemos que somos capazes de muito mais.  A superação passou provavelmente a ser a nossa palavra de honra e a solidariedade outra palavra que ficou nossa amiga. Por nós, pelos nossos, pelos outros. Os portugueses aprenderem coisas novas... O álcool-gel é agora o nosso melhor amigo e finalmente percebemos a importância de lavar as mãos com frequência. Saímos todos à rua de açaime e assim finalmente entendemos a sensação dos cães quando lhes fazemos o mesmo. Aprendemos a fazer compras pela Net, a poupar nos trocos e a cingirmo-nos  àquilo que realmente é importante e necessário. Mas nem todos aprendemos a não estar em cima uns dos outros. Aprendemos que ficar a tarde em casa em vez de ir passear para o centro comercial também tem a sua beleza, e que ver um filme na televisão é um programa fantástico quando não podemos sair para a rua.  Muitos, já fartos de filmes e com a gula aos gritos viraram-se para a cozinha e engordaram. Outros sucumbiram ao aborrecimento e emagreceram. E passámos a valorizar muito mais a família e a aproveitá-la melhor. Agradecemos o estar mais com os filhos. Percebemos o que custa não ver poder dar aquele beijo aos nossos pais como fazíamos porque é preciso protegê-los a eles e a nós. Em vez de beijos e abraços agora damos cotoveladinhas uns aos outros. Percebemos a falta que nos fazem os nossos amigos e como é difícil ir beber aquele café com eles mantendo a distância de segurança... O término escolar foi diferente com o seu 3º Período a empertigar de uma ou outra forma os estudantes e a arruçar os cabelos dos pais. Férias diferentes, festas religiosas condicionadas a uma série de regras impressas em papel. E eis que chega 2021, e é preciso virar a página ou fechar o livro. Seja qual for a nossa escolha, não deixemos que o ano que acaba dite o nosso destino, porque esse construi-mo-lo nós a cada esforço que fazemos, a cada braçada, a cada lágrima que derramamos, a cada sorriso muitas vezes envergonhado mas que deixamos escapar vitoriosamente... Que em 2021 sejamos nós, sejamos felizes, sejamos unos! E que os abraços e os beijos possam voltar a fazer parte do nosso dia-a-dia.

 

 

27.10.16

Considerações minhas...

soumaiseu

Gosto de acreditar que tudo na nossa vida acontece por um motivo. Nada é deixado em vão. Já sabem que sou crente e a verdade é que a minha fé me leva por caminhos que se calhar muitos dos que me lêem renegam. Não faz mal. Não estou aqui para converter ninguém. Falo apenas de mim, do que me move, do que aprendo com os desafios que a vida me coloca. O sogro está cá em casa há 2 meses. Não é uma situação fácil. Nunca é. Ter uma pessoa demente em casa não é pêra doce. Cá em casa há dois meses que não sabemos o que é dormir uma noite inteira descansados, salvo as raras excepções em que o organismo colapsa e ferramos no sono até de manhã. É nessas alturas que ele pode pegar fogo à casa que nós não damos por nada. Nas restantes noites o sogro passeia-a pela casa para se "distrair" porque não tem sono. Remexe as gavetas e os móveis para "ver se está tudo bem", senta-se na sala às cinco da manhã para falar com uma das gatas que lhe dá conversa com uns "Minhaus": "Tens preguiça, não tens? Pois tens! Muita preguiça! Pois é... estás cheia de preguiça...". Não é fácil. Já desisti de desabafar com quem quer se seja porque mesmo a família mais chegada acha que ele está muito bem e recusa aceitar o facto do meu sogro estar a ficar choné. As alucinações e os delírios, acontecem essencialmente de noite quando só nós estamos em casa. No outro dia de manhã zangou-se porque estava a ouvir o relato do jogo e depois de ter ido à casa de banho o telemóvel já não o "apanhava". De salientar que o telemóvel dele tem radio mas não tem auricular e os jogos não se fazem de manhã. Quando perguntei quem estava a jogar diz-me "É o Sporting...", respondi-lhe que não se preocupasse que se o Sporting ganhasse logo se haveria de saber: "Sporting? Não... É o Benfica Porto. Eu também gosto de ver os outros...". Ainda lhe perguntei se "Não seria o vizinho de cima a ouvir rádio?", "Não! Eu ouvi, sei muito bem o que ouvi..."

O que eu aprendo com isto tudo? Muito. Depois da fase do embirranço só porque sim e de adaptação à situação percebi que está ali um ser humano, que sempre foi uma pessoa muito pouco acessível mas que neste momento está perdido entre a nossa realidade e um mundo à parte que é só dele. Continuo a sentir raiva e revolta pela situação: sou humana e não tenho problemas em admiti-lo, mas começo a conseguir ver nele uma pessoa que sofre com a doença e que me parece que nem sempre tem consciência disso, que fica muitas vezes perdido sem saber o que pensar, o que fazer, o que dizer. Alguém me dizia no outro dia que nós éramos muito fortes por aguentar esta situação. Eu digo-vos que não. A minha força é relativa porque todos os dias ela vacila e todos os dias eu tenho de a reforçar. Sou apenas alguém que não tem forma possível de fugir e se resignou ao que tem de ser. E se tem de ser, pelo menos que seja o mais leve possível... Já a minha avó dizia "O que tem de ser nosso, nem Deus nem o Diabo no-lo tira!"... É isto. Apenas isto...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D