Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sou Mais Eu...

Sou Mais Eu...

24.11.08

Conto de Natal

soumaiseu

                  

 

Já tinha quase seis anos.

Os pais já se tinham questionado se não estaria na altura de lhe contar a verdade. Todos os anos repetiam o mesmo ritual. Iam os três até ao sotão, traziam para baixo as caixas de bolos onde ficavam guardadas durante mais tempo do que deviam as decorações de Natal.  Num ápice a sala ficava desarrumada de alegria. Ele gostava disso. Gostava do ar carrancudo que o pai punha quando distribuia cada lâmpada mágica pelas agulhas do pinheiro. Mas o que ele gostava mesmo era de pôr as bolas. Naquele ano enquanto o pai enterrava o pinheiro no vaso de areia a campainha tocou.

Vais lá? - Perguntou ele à mãe.

- Não posso. Estou na casa de banho... - gritou ela.

E o pai foi à porta.

Entretanto ele deu pela falta das bolas de Natal. Não podia ser. Aquela era a sua parte, a sua contribuição na decoração da árvore de Natal. Saiu da sala, passou pelo corredor e subiu as escadas até ao sotão. Procurou a caixa mas não havia nenhuma. Estariam  num saco? Escondido a um canto, meio tapado com um lençol velho encontrou um saco levemente aberto de onde saiam uns panos vermelhos. Depois de uma breve inspecção levou-o para baixo numa grande agitação, quase a adivinhar que alguma coisa não estava bem.

- Pai, porque é que temos um fato de Pai Natal no sotão?

O pai não sabia bem o que dizer. Depois lembrou-se da conversa que tinha tido com a mãe. E então,com muita calma, começou.

- Bem, tu sabes o que é o Natal? É uma época de paz interior, em que todos sentimos uma grande vontade de fazer o bem, sermos bons uns com os outros e darmos presentes. O pai Natal tem uma função muito importante nesta época, mas ele vive nos paises da neve, muito longe daqui.  Há muitos meninos há espera dos presentes do Pai Natal e ele não tem tempo para os entregar a todos pessoalmente. Então fez um acordo com todos os pais que sentem o Natal dentro deles. Estes pais vestem um fato igual ao dele, e na noite de Natal todos estes pais podem ser "Pais Natal " por algumas horas. Eu também fiz esse acordo...

-Tu tens o Natal dentro de ti? - perguntou ele.

- Sim. Desde que tinha a tua idade!

Não ficou muito convencido, não percebia porque é que o Pai Natal verdadeiro não tinha tempo para ele. Portava-se sempre bem durante o ano, ajudava a mãe a pôr a mesa e arrumava os seus brinquedos ... não entendia.  Passou os restantes dias com um ar muito pensativo, a olhar para a árvore... por mais que quisesse não conseguia chegar lá.  Quando perguntou ao pai porquê, ele respondeu-lhe que havia meninos que precisavam mais do Pai Natal do que ele, porque estavam doentes, estavam tristes, estavam sozinhos no mundo... mas nem assim.

Nesse ano a noite de Natal nao teve o mesmo gosto.

O pai apareceu com o seu fato vermelho e as suas barbas emprestadas pelo próprio Pai Natal.  Tudo foi feito como sempre mas o sabor não era o mesmo. A dúvida permanecia... Chegou a desejar  estar doente só para que o verdadeiro Pai Natal o viesse visitar. 

Quando foi para a cama pediu à mãe que não corresse os estores. Já que não podia ser visitado pelo Pai Natal podia ser que o visse passar com o seu trenó pela janela.  O sono pesava-lhe nas pálpebras... o calor dos lençóis aconchegava-lhe o corpo. Estava cheio de sono... ouviu um rebuliço lá fora, uma espécie de guizos... Atravessou o corredor quase sem respirar. Da sala apenas vinha a luz trémule das pequenas lampadas que decoravam o pinheiro... de cócoras na alcatifa estava alguém mais magro do que o habitual, com uma capa vermelha enrodilhada no chão... ao sentir a sua presença  virou-se para ele, com o ar mais simpático que alguma vez ele vira, e entendeu-lhe um pequeno presente embrulhado em papel colorido. Abismado quis agradecer mas um dedo enluvado fez-lhe "Shiiiiuuuuu!" .

Acordou de madrugada deitado no sofá, cheio de frio... E quando ao levantar-se tropeçou num pequeno embrulho no seu rosto surgiu de imediato um grande sorriso. Abriu o presente.... e correu tão depressa quanto pôde para o quarto dos pais. Empurrou a porta encostada, lançou-se na cama deles e gritou:

- Pai! Mãe! Ele esteve aqui!

O pais ainda a dormir disseram-lhe para ir para a cama. Eram cinco da manhã, devia estar deitado..

- Não, ele esteve aqui, pai! O Pai Natal esteve aqui! Deixou-me uma prenda. Olha!

E esticou os braços segurando nas suas mãos geladas a pequena caixa aberta. Lá dentro estava uma simples bola de Natal.

Dourada.

Tão dourada quanto os seus sonhos de menino!

 

19.11.08

Ao meu AMOR!

soumaiseu

                

 

Nunca falo de ti... não sei porquê, nunca calhou! Às vezes é-nos dificil falar de quem mais temos junto ao coração. Se calhar por estarmos tão próximos as palavras tornam-se dificeis e desnecessárias... Nunca te disse o quanto a minha vida seria vazia sem ti! Sem ter alguém a quem culpar por tudo e por nada... Sem sentir o teu cheiro ao meu lado na cama... Sem ouvir a tua respiração durante a noite... Sem ter alguém em quem me enroscar ao fim de semana... Então lembrei-me que te podia fazer um poema. Idéia muito triste tendo em conta o estado enferrujado da minha veia poética... Não consegui! Deixo-te um dos poemas mais lindos que já li! Sei que tu e a poesia não se entendem muito bem, mas também sei que vais fazer um esforço!

Vá lá!

Queima uns neurónios !

Para ti, meu Amor!

 

 

Fumo

Longe de ti são ermos os caminhos,
Longe de ti não há luar nem rosas,
Longe de ti há noites silenciosas,
Há dias sem calor, beirais sem ninhos!

Meus olhos são dois velhos pobrezinhos
Perdidos pelas noites invernosas...
Abertos, sonham mãos cariciosas,
Tuas mãos doces, plenas de carinhos!

Os dias são Outonos: choram... choram...
Há crisântemos roxos que descoram...
Há murmúrios dolentes de segredos...

Invoco o nosso sonho! Estendo os braços!
E ele é, ó meu Amor, pelos espaços,
Fumo leve que foge entre os meus dedos!...

                    Florbela Espanca
14.11.08

Moorea, doce Moorea!

soumaiseu

Há alguns anos atrás tive a oportunidade de conhecer um dos sitios mais bonitos do nosso planeta, a Ilha Moorea na Polinésia Francesa.

De vez em quando lembro-me das pessoas fantásticas que lá vivem, da cultura tão diferente da nossa que têm, daquelas águas tão transparentes que nos parecem ficção...

Ficam algumas fotos que retirei da net...

.................

Espero que vos deixem a sonhar!

 

 

Aqui as galinhas andam à solta e por todo o lado...

                                            

 

Pois é!

 

 

Ai! Ai!

 

 

Hum!...

 

 

Sim, também há estradas de alcatrão!

 

 

09.11.08

Cheirinho a Natal!

soumaiseu

                  

 

 

Sou absolutamente louca pelo Natal!

Quando chega esta época do ano regresso sempre à minha infância, e lembro-me sempre da azáfama do meu pai em enfeitar o já em desuso pinheiro verdadeiro que ele ia comprar quase de madrugada à praça... da minha mãe a dar ordens e a pôr defeitos na decoração para grande ira do meu pai. Lembro-me de fazer sempre um grande esforço para me manter acordada na noite da Consoada porque queria ver o pai Natal chegar com o seu saco cheio de prendas, até que o cansaço me vencia e o sono chegava até à manhã do dia seguinte, e eu levantava-me em pijama e pantufas e ia a correr ver o que estava debaixo da grande árvore! Talvez por isso ficou-me um carinho muito especial por esta altura do ano.

Gosto muito do Natal. Adoro as ruas enfeitadas com cores vivas e cheias de gente. Adoro o cheiro a castanhas assadas no ar. Dos Pais Natal e dos seus fatos vermelhos. Das renas. Do Rudolfo, a rena do nariz vermelho! Gosto da trabalheira que dá ter de fazer a árvore de Natal com o presépio. Gosto de decorar a casa, enfeitar as janelas, pôr o meu boneco de neve na maçaneta da porta da entrada. Gosto das prendas, gosto das comprar e faço questão das embrulhar eu mesma. Uma "panca" como qualquer outra. Gosto do frio, dos narizes gelados e das mãos congeladas.

Se ainda acredito no Pai Natal?

Claro que sim!

Tenho um enorme dentro de mim!

05.11.08

Nós

soumaiseu

Porque sou uma invejosa , gostei tanto do Trio Maravilha da Nocas que também quis fazer um retrato de familia só para nós. E nem a bicharada de quatro patas ficou esquecida. Falta ainda a Rolinha e o Tubarão porque não havia pássaros nem peixes para acrescentar.

Não somos lindos?

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D