Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sou Mais Eu...

Sou Mais Eu...

19.02.21

A arte de bem burlar, ou não...

soumaiseu

sinal.jpg

(Imagem retirada daqui)

Passou-se hoje, em Moscavide, com os meus pais. O burlão conduz um carro  e é a segunda vez que aborda o meu pai. O método é sempre o mesmo. Faz-se passar por alguém da terra, sem nunca avançar primeiro com qualquer afirmação e conduzindo a conversa usando informação previamente dada e fazendo deduções. Aborda os velhotes cheio de sorrisos e simpatia tapados por uma máscara, mas sempre de dentro do carro. A primeira vez que abordou o meu pai tentou-lhe "oferecer" um conjunto de lençóis bordados a troco de 20€. O meu pai esquivou-se dizendo que não tinha o cartão MB com ele,  que "estava com a mulher". Desta vez a conversa foi mais ou menos a mesma, com a diferença de que o meu pai o reconheceu imediatamente da primeira tentativa:
- Então pá, não falas à malta da terra?

- Então não falo porquê?
- Parece que não queres falar. De que terra és?
- Sou de Proença...
- Então e tu não falas ao pessoal de Proença? Estive lá no outro dia.
- Eu há muito tempo que não vou lá.
- Então e tu não sabes quem eu sou?
Há lá cafés cafés muito antigos...
- Pois há, há a Pantana...
- E os filhos dela?
- Ela não tem filhos...
- Mas havia mais cafés.
- Havia a Eugénia...
- Então eu sou filho dela. Não tenho estado cá, estive a trabalhar no estrangeiro, tenho lá um negócio.
- (O meu pai, já desconfiado com a história, avança com um nome, sabendo de antemão que essa pessoa foi efectivamente emigrado mas, já faleceu) Ah, já sei quem tu és, és o irmão do João C., o Manel?
- Sou eu, sou...
- És o Manel?
- Sou pois.
- Tira lá a máscara que eu quero ver quem tu és pra te tirar à casta...
- Não tiro, não se pode.
- Tira lá que estamos de longe não faz mal.
- Não tiro nada. Anda entra aí no carro que está a começar a chover. Quando é que vais à terra? Eu para a semana vou lá. Se quiseres vir eu levo-te, levo-te a ti e à mulher... Entra aí, anda.
- Não entro nada. Não preciso de boleia nenhuma que eu tenho carro. Quando quiser vou sozinho.
- Eu levo-te. Olha vou abrir uma loja aqui em Moscavide. Vou-te dar uma prenda que é para tu veres o que lá vou vender... (e estende a mão para um monte de lençóis embalados no banco de trás do carro).
- Não quero!
- Não queres porquê? Anda lá, toma lá, sou eu que te dou.
- Já te disse que não quero, não quero prenda nenhuma, não quero nada teu.
- Anda lá aceita.
-  (Gritando) JÁ TE DISSE QUE NÃO QUERO.
E só então o burlão desistiu, ligou o carro e pôs-se a andar.


Foi pena que na confusão o meu pai não se tenha lembrado de anotar a matricula, porque era eu mesma quem apresentava queixa na Policia. O meu pai foi "rato". Outros velhotes não serão tão espertos para escapar às garras destes criminosos. Não consigo deixar de pensar no que poderia ter acontecido. Vou mais longe, quantos velhotes não sofreram já às mãos destes "lobos mansos acarneirados", quantos não desapareceram se calhar enleados nestas teias. Avisem os vossos velhos, falem com eles. Nunca é demais! Quando a idade já pesa e muitas vezes o discernimento já nos falta tornamo-nos presas fáceis. Todo o cuidado é pouco!

 

16.02.21

Sem Carnaval...

soumaiseu

Matrafona.png(Imagem retirada daqui)

Há muitos anos atrás a minha amiga Isabel desafiou-nos para irmos ver um Enterro do Carnaval. Reticente lá fui, sem saber que nascia nesse dia uma paixão por estes "carnavais" que todos os anos repito a gosto. E sabem do que gosto mais? Das Matrafonas. Pronto, está bem, tudo o resto também tem piada, desde os bebés vestidos a rigor aos restantes mais ou menos maliciosamente enfeitados, mas do que eu gosto mesmo é das tradicionais Matrafonas!  

(Se vos interessar mais informação sobre Matrafonas aqui)

 

09.02.21

O Amor...

soumaiseu

antoine_de_saint_do_primeiro_amor_gosta_se_mais_do(Imagem retirada daqui)

Em Outubro casou-se a filha mais nova dos padrinhos do meu marido. Quando perguntei ao pai qual era a sensação de casar a miúda lá de casa respondeu-me simplesmente "Faz tudo parte de um percurso que é normal e natural, é mais um passo na mesma direcção, que é suposto e que se espera que aconteça, faz parte da vida, é assim..." Palavras sábias de um homem calado que me ficaram na mente. Eu, mãe galinha, coruja, ave de rapina, leoa, me confesso. Receio o momento em que terei de passar a dividir o afecto da a minha filha com outro alguém e isso incomoda-me bastante porque não sei como vou reagir e não quero de forma alguma reagir de forma incorrecta. A reter: é tudo "... normal e natural... ". Nota mental registada. Tudo normal e natural...

08.02.21

Olhares

soumaiseu

Cuidar.jpg.crdownload(Imagem retirada daqui)

Hoje fui com a minha mãe a um dos Hospitais aqui da zona de Lisboa e enquanto eu andava com ela de um lado para o outro não pude deixar de reparar num casal que também por ali andava na mesma lide, talvez da idade dos meus pais. Percebi desde logo que a mente dele estava afectada. O senhor trazia consigo dois sacos de plástico que supostamente continham "papéis importantes que podiam ser precisos". Disse a um dos enfermeiros que trazia ele os sacos porque "ela nunca gostou de andar com sacos". "Toda a minha vida carreguei sacos", defendeu-se ela. E mais tarde ouvi-o comentar para o lado: "Cinquenta e um anos de suplício a aturar isto! Esta mulher levou-me a minha cabeça e levou-me os meus olhos..." Não pude deixar de sentir pena da senhora. As doenças mentais são desgastantes. Deduzo que esta senhora trate do marido o melhor que sabe e pode. A idade  também nela já ia avançada e acredito que não seja fácil lidar com o aparente mau feitio do senhor. A tristeza que vi naquele rosto. A pressa em chegar ao aconchego de casa que lhe senti no andar. A autoridade com que lhe agarrava a manga do casaco por ele se recusar a dar-lhe a mão. Percebi-lhe no respirar uma urgência que me é tão familiar e entendi-a  também como minha, porque só quem lida com estas doenças consegue entender esta revolta e ler estes sinais. Cuidar é tudo menos fácil. 

08.02.21

Ritanhês...

soumaiseu

humor.jpg

(Imagem retirada daqui)

A Rita tem uma destas leggings de napa que agora tanto se usam. Adora-as porque são fashion, e são quentinhas, e lhe ficam bem, e tal e tal... Mas ontem, ao andar de carro percebeu-lhes uma desvantagem. Sempre que o carro fazia uma curva para a direita lá ia a Rita, para a esquerda lá vem a Rita, uma travagem mais brusca, lá vai a Rita para a frente: 
- Mãe, não gosto destas calças! Pareço manteiga...  
(Não percebo qual é o problema dela, eu cá gosto muito de manteiga... )

Na mesma viagem a Radio passou a música "Quando formos velhinhos" do Rogério Charraz, e acerca da letra resolvemos perguntar-lhe se sabia o que era um gira-discos. 
- Sei, é aquela coisa que tu pões lá uma cena e dá música, tipo coluna... 
(Tipo coluna? Ok.... )

Acordar a Rita de manhã é desde sempre uma tarefa árdua por isso um dia destes resolvi acorda-la aos gritos. Entrei no quarto e gritei entusiasticamente "RITAAAA ACORDAAAAA! ACORDA RITAAAAAA" enquanto abria as persianas e lhe dirigia a luz do candeeiro do beliche para o rosto...
- Mãe, estou a ver a luz... Mãe eu não quero ver a luz... Por favor mãe... eu não quero ver a luz!  Afasta de mim essa luz... Mãe, por favor não deixes que eu veja a luz... 
(Temos atriz.... )

Pai: Vou tomar banho...
Rita: Vai pai, que já se sente o cheiro aqui... 
( Check! )

06.02.21

Os trocadilhos da Rita

soumaiseu

porco.jpg

(Imagem retirada daqui)

Na hora de deitar, o pai foi ao quarto dar-lhe um beijo de boa-noite e, ao invés de fazer a coisa rapidamente, ficou por lá  na tagarelice e a fazer sala... Tive de correr com ele:

- Vá lá! Andor! Sai daqui pra fora que a miúda tem de dormir que já é tarde!
- Tens de arranjar uma vara... de porcos! - E ria-se, ria-se, ria-se...
- Mas qual é a piada?
- Mãe? Vara: pauzinho para enchutar os animais; e vara: vara de porcos?

 A menina tem muita graça, tem, tem! 

01.02.21

Pensamentos...

soumaiseu

salmos-139-1-2.jpg

(Imagem retirada daqui)

Sou mãe. Primeiramente, acima de tudo, principalmente e antes demais, sou mãe. Quando penso no Covid e na quantidade de vidas que se perdem, nas  vivências que ficam interrompidas, mães que perdem os filhos, filhos que perdem os pais, palavras que ficam por dizer, abraços e beijos por dar... Tenho ânsia de acelerar a lista de coisas que ainda quero fazer, dividir-me em milhentas formas eficientes porque na verdade não estou preparada para partir. Estará alguém? Provavelmente não. O Covid surge na nossa mente como uma força premente que se insinua nos nossos pensamentos e traz consigo o medo, o receio. Não. Não devíamos partir assim, aos magotes, como um bando de pássaros assustados. Ser forçado a abandonar a Pátria e ser enviado para o estrangeiro. Morrer sozinho. Longe. Entre estranhos que muito provavelmente nem a nossa língua falam. E mesmo que se morra cá, esperar oito dias para ser enterrado. Ser cremado quer se queira ou não. Sem família. Sem amigos. Sem ninguém. Não se morre dignamente com Covid. Perdemos mais do que a saúde, perdemos a dignidade. Apenas nos resta o maldito Covid. 

29.01.21

Chegou aos meus...

soumaiseu

marisaczl-1557362052772-cathopic.jpg(Imagem retirada daqui)

Ontem alguém dizia na televisão que enquanto os mortos não ganhassem um nome, enquanto não fossem os nossos conhecidos e familiares a sofrer os efeitos da pandemia, iríamos continuar na negação do vírus. E ontem os números dos doentes internados ganharam mais um nome:  T, a minha prima, madrinha da minha filha, está internada no Hospital de Castelo Branco. A dificuldade em respirar e o cansaço constante ditou que ficasse internada para tentarem perceber o que é que se passa. Em casa, sozinho, também positivo ainda que aparentemente quase sem sintomas, fica o meu afilhado de 16 anos. Vale-lhe o apoio de uma vizinha e da mãe de uma amiga, porque os avós maternos também estão positivos, o pai enfim, e a restante família está longe. Não sei o que será pior, Covid ou solidão...

28.01.21

Sobre mim...

soumaiseu

ondas-e-mares-o-que-sao--5071-3.jpg(Imagem retirada daqui)

Em resposta à Rute do blog O Meu Maior Sonho cá fica um pouco do que sou. Baptizada com o nome de Conceição desde muito cedo que me rebelei ao meu nome para grande desgosto da minha mãe, e por isso sou simplesmente São para quase toda a gente. Tenho 49 anos, casada, mãe de uma petiz, de seu nome Ana Rita com 13 anos, autora do Ritanhês que por aqui se fala. Neste momento não trabalho, sou cuidadora a tempo inteiro do meu sogro, o Explorador, que sofre de demência, tomo conta da casa, dos meus pais que não estando dementes já precisam de apoio, da minha filha e da afilhada que vive connosco durante o ano lectivo enquanto estuda Psicologia. O meu blog é um reflexo de todo este meu viver. Inicialmente foi criado para registar toda a minha vivência enquanto mãe porque uma das coisas que mais confusão me fez foi perceber que a minha mãe não registou muitas lembranças dos tempos da minha criação. E porque a memória é curta e traiçoeira surgiu este blog onde falo de mim enquanto mãe e da minha experiência, da minha filha, dos meus devaneios, do que penso. Sou Mais Eu porque a partir de um certo momento da minha vida senti necessidade de me impor e cobrar para mim o respeito que também mereço ter, e por isso aqui me afirmo à minha maneira e a mim própria. É aqui que me solto, que me lamento, muitas das vezes é também aqui que choro, embora nunca permita que esses meus textos cheguem até vós, afinal de contas a minha vida nem sempre é um mar de rosas e há muitas sombras que pairam sobre a minha mente. O melhor disto tudo são vocês. Alguns já me conhecem à muito tempo, como a Rute, outros vão chegando aqui aos poucos, silenciosamente. Uns ficam e outros partem. Sem problemas e sem ressentimentos porque a vida é como o mar, cheia de marés que nem sempre podemos ou queremos aproveitar... 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D